Estrelas do Rock são sexys. Eles ficam em pé em palcos sendo cozinhados por um show luminotécnico enquanto fazem uma performance para pessoas gritando em uma venerável adoração. Eles fazem muito dinheiro, vestem roupas estilosas, têm tatuagens maravilhosas e conseguem as mulheres mais bonitas – tudo isso por ser capaz de escrever e tocar música que as pessoas gostam.

Este é o quadro que muitas pessoas têm em mente quando se apresentam para serem líderes de louvor, como resultado da cultura que é guiada emocionalmente ao estrelato que criamos na igreja ocidental. Quando um líder é talentoso e carismático, nós tendemos a enevoar a linha entre admiração e adoração, entre imitá-los conforme eles imitam Cristo e substituí-los por Cristo. Com a música, isso é o mais perigoso porque estamos lidando com um meio naturalmente emocional.

Mas as emoções não são ruins em si e por si mesmas. Elas são bem úteis em nos engajar holisticamente na adoração. Considere o que Jonathan Edwards, o grande teólogo e pastor, disse:

“Eu não penso que ministros devem ser culpados por elevar muito as emoções dos seus ouvintes, se aquilo pelo qual são comovidos for somente aquilo que é digno de comoção, e suas emoções não sejam levantadas além da proporção da sua importância, ou merecimento de comoção. Eu deveria pensar comigo mesmo na forma do meu dever de elevar as emoções dos meus ouvintes tão alto quanto eu puder, provido que eles sejam comovidos com nada além da verdade, e com emoções que não discordem da natureza do que eles estão comovidos.”

É trabalho dos líderes de louvor elevar as emoções das pessoas que lideramos à máxima altura possível com a verdade do merecimento de Deus em nossas canções. Ainda assim, enquanto as emoções são servas úteis da adoração, a natureza emocional e até mesmo sensual da música pode dificultar o discernimento se estamos elevando as emoções dos nossos ouvintes com a verdade ou simplesmente com a excitação da música. Podemos ir para a jugular emocional e falhar completamente em exaltar o caráter, a santidade e majestade de Deus. A música passa a servir a si mesma.

Plataforma do Orgulho

Talvez a prática mais comum e mortal, contudo, seja usar até mesmo as profundas verdades de Deus para servir as nossas próprias buscas orgulhosas do palco e proeminência. Porque somos uma cultura que faz de homens e mulheres ídolos que podem cantar, as pessoas naturalmente põe líderes de louvor talentosos nos holofotes de estrelas do rock. Este é um lugar bastante tentador para ser um líder de adoração, conforme esse tipo de apreciação do público se torna intoxicante.

Alguns anos atrás, eu estava mais do que frustado enquanto servia numa igreja onde sentia que estava correndo numa esteira. Semana após semana, eu “lideraria a adoração”, mas nunca parecia conseguir a reposta que esperava. As pessoas ficavam entediadas, sem inspiração, e geralmente apáticas, mãos nos bolsos e braços abaixados. Eu raramente era agradecido ou encorajado, e parecia que estava perdendo meu tempo.

Ao mesmo tempo, eu viajaria para liderar o louvor em conferências e concertos onde minha banda seria bem paga, bem alimentada, colocada em bons hotéis e constantemente agradecida e elogiada pelo excelente trabalho. Quando liderarmos o louvor, as pessoas levantariam as mãos e as vozes e cantariam em alto som. Depois de tudo, autografaríamos CD’s e blusas vendidas, e tiraríamos fotos com os nossos “maiores fãs”. Eu queria mais.

Um dia, no meio de uma briga com minha esposa sobre essa coisa toda, eu gritei “Tudo que eu nunca serei é um líder de louvor de uma igreja local!” Assim que eu ouvi as palavras da minha boca, o Espírito Santo começou a trabalhar sua obra de convicção em mim. Ele trouxe Efésios 5:26-27 à minha mente para me lembrar que a igreja é a noiva que Cristo se deu a si mesmo, ao invés de ser um trampolim para minha própria fama e glória. João 10 me lembrou que a igreja é o seu rebanho e precisa de um pastor, não de uma estrela do rock.

Eu estava arruinado.

E então, por causa da sua bondade, Deus usou a bola de demolição do Salmo 46:10 para derrubar os muros de conflito que eu estava experimentando por estar trabalhando na exaltação do nome errado. Finalmente, Efésios 1 me confortou como sendo um filho adotado de Deus, que foi comprado pelo sangue de Cristo e abençoado além da compreensão.

Até aquele momento, eu não tinha percebido que eu estava à procura de valor em coisas que não podiam dar-lhe, para a satisfação em poços quebrados. Eu estava subconscientemente usando as pessoas para encontrar validação, tentando criar uma identidade melhor do que a que eu tinha ganhado em Cristo. Quando as pessoas não cooperaram com os meus planos, fiquei frustrado com elas, ao invés de humildemente servi-las como seu pastor.

Ok sem Afirmação

Eu conheço muitos líderes de louvor que estão no mesmo barco. Muitos de nós servem sacrificialmente, semana após semana, e somos raramente notados ou aplaudidos. Procuramos aceitação das pessoas que lideramos e servimos, mas em vez disso achamos resmungos e reclamações no lugar da afirmação que nossas almas tanto desejam.

Isso não é para dizer que os resmungos e reclamações ou falta de encorajamento é certo. Isso é para dizer que estamos bem sem afirmação. Nós nunca iremos ser mais notados, amados, queridos, aceitos, validados, encorajados e satisfeitos do que somos em Cristo.

Nós nunca teremos maior identidade do que aquela que foi comprada para nós na cruz. Somo criados à imagem de Deus, comprados pelo seu sangue, redimidos para sua glória, adotados em sua família, foi-nos dada uma herança eterna, uma nova família e o Espírito Santo habita em nós.

Não precisamos de pessoas para levantar suas mãos e cantar em alto som numa adoração congregacional. Não precisamos que elas venham até nós depois para dizer o quão boa foi a adoração. Não precisamos crescer no palco, ter um blog famoso, fazer um tour, liderar o louvor em grandes conferências, ou ter o álbum cristão mais vendido no iTunes. Não precisamos ser estrelas do rock. Nós temos Jesus. E Jesus é mais que suficiente.

Por: Stephen Miller. Copyright © 2012 The Gospel Coalition. Fonte: Worship Leaders, We Are Not Rock Stars.

Original: Líderes de louvor, nós não somos estrelas do rock. Copyright © 2015 Cante as Escrituras. Website: CanteAsEscrituras.com.br. Todos os direitos reservados. Tradução: Matheus Fernandes. Revisão: Filipe Castelo Branco.