“Outros deuses eram fortes, mas tu eras fraco;
Eles cavalgaram, mas cambaleaste até teu trono;
Somente Deus pode falar com as nossas feridas,
E nenhum deus possui feridas, além de ti”

(Edward Shillito, “Jesus das Cicatrizes”)

Como um soco, isso mesmo, um soco na boca do estômago foi como recebi este poema pela primeira vez. Ainda em inglês o vi pela primeira vez, de Edward Shillito. Com o tempo fui esquecendo, até que um dia o professor Franklin Ferreira o aplicou em uma de suas palestras. Bahm!!! Novamente o impacto de “Jesus of the Scars” ou em português “Jesus das Cicatrizes”.

Você deve se peguntar; qual o interesse desse poema para os dias de hoje? Talvez o tema do Jesus crucificado, ou o Cristo que sofre possa te parecer um tanto católico, trazendo já uma série de resistências e conceitos sobre essa imagem. Porém, em uma análise rápida, observamos uma sociedade que sofre pelos mais variados motivos e dentro dessa sociedade estão os crentes que aprenderam a desenvolver uma relação de clientes existentes que pedem e pedem conforto, libertação do sofrimento, da dor e tantos outros pedidos que corroboram com seu desejo de bem-estar. A ideia de sofrimento sumiu do imaginário do povo, como se a religião existisse para aliviar a dor da vida humana, mas o sofrimento é realidade imutável sempre presente através de séculos e séculos.

Este poema vem ao encontro da necessidade de aprendermos a sofrer. Sobretudo aprender a nos consolarmos no Cristo que conhece de perto o sofrimento e sendo Ele soberano sabe mais do que qualquer outro ser ou divindade o porque do sofrimento humano. Isso muda completamente a visão que temos de Deus, pois assim Ele deixa de ser nosso serviçal e passa a ser nosso Deus de fato e de verdade.

O trabalho com o Yago Martins foi ótimo, pois eu estava buscando metrificar o poema sem alterar muito sua estrutura original, ou seja, estava tentando fazer uma adaptação do texto original. Apresentei o texto ao Yago e ele em algumas horas fez uma versão, como se faziam nos hinos de nossos hinários tradicionais. O trabalho ficou ótimo e emocionante, pois o texto enaltece nossa necessidade de, na dor, nos consolar no Cristo que viveu na própria pele a dor indizível. Temos um Deus que se identifica com o nosso sofrimento, um Deus que se deu para que tenhamos descanso na dor e cura para a alma.

Busquei fazer uma melodia que combinasse com o tema proposto pelo poema. Algo não esfuziante, pois tudo o que temos nas igrejas é alegre demais, mas algo sóbrio e que destacasse o “Jesus das Cicatrizes”. Também não quis fazer algo choroso demais, pois conhecemos o fim da história. Eu acredito que atingi o resultado que gostaria e agradeço a Deus a oportunidade de compor mais essa canção e ainda com o talento do Yago Martins endossando o trabalho.

Que possamos entender o sofrimento, aceitar nossas dores e nos consolarmos em Cristo; pois ele sabe o porque sofremos e conhece o sofrimento que passamos. Estamos em suas mãos. Amém!

Assista e ouça a música:

Por: Diego Venancio. Revisão: Filipe Castelo Branco. Copyright © Cante as Escrituras 2016. Original: Jesus das Cicatrizes

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.