Nesta coluna sobre letras de música, temos enfatizado a necessidade de uma visão bíblica sobre o que estamos cantando. Não basta a música possuir uma melodia interessante, arranjos belos ou “solos” encantadores. Mais do que beleza aos ouvidos, precisamos glorificar a Deus segundo a Sua Palavra.

A letra de hoje, muito embora seja feita por um artista mais novo em idade, reflete uma das características mais importantes das músicas cristãs: a exaltação a Deus e a colocação do homem no seu devido lugar. Vamos à análise.

Pra que tanto orgulho o homem está cego
E não vê que é tão pequeno
Posso chegar aonde ninguém chegou
Ainda assim serei pecador
Me destrói, sou vaso me faça de novo
Me põe no mais alto lugar

A Escritura nos alerta, constantemente, sobre o pecado do orgulho. O livro de Provérbios registra que “A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda” (Pv 16.18). Deus possui Seus caminhos para fazer com que o homem fraqueje em muitos de seus passos, a fim de que aprenda a confiar n’Ele: “Do homem são as preparações do coração, mas do SENHOR a resposta da língua” (Pv 16.1). Diante de Deus, muitas vezes o homem se acha alguma coisa, mas a verdade é que está cego, pobre e nu (Ap 3.17).

A letra também destaca que muitos são os planos do homem que podem prosperar, o fazendo “chegar aonde ninguém chegou”. O ser humano empreende e realiza coisas grandiosas diante da humanidade, mas mesmo assim, continua pecador. O apóstolo Paulo, comparando a glória que tinha com Cristo, com as mais excelentes coisas que possuía nesta terra, incluindo sua linhagem nobre e alto escalão na escola judaica, afirmou: “Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo” (Fp 3.7). Não importa quanto o homem seja “bom” nesta vida, sem o Senhor, será um eterno pecador, “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3.23).

Igualmente, lemos sobre a necessidade e que leva o ouvinte a cantar junto, sobre a importância de o homem clamar ao Senhor, suplicando por misericórdia. Davi, após pecar com Bate-Seba e com ela adulterar, orou a Deus: “Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias” (Sl 51.1). É bem verdade que o homem, uma vez lavado pelo sangue de Cristo, pelo poder e eficácia deste sangue, não pode perder a comunhão com o Senhor, pois vive com as “coisas que acompanham a salvação” (Hb 6.9). Entretanto, há a necessidade de um constante suplicar a Deus para que nos relembre e nos faça enxergar a nossa necessidade nele.

Dando seguimento, a letra nos leva a pedir ao Senhor para que nos coloque “no mais alto lugar”. Confesso que estranhei esta parte, da primeira vez que ouvi a música. Porém, fica claro o jogo de palavras do autor, com a parte abaixo:

No lugar mais alto, aos teus pés

A música externa o pedido do crente para que o Senhor o coloque, tão perto possa estar dos Seus pés, evidentemente em sentido figurado, demonstrando a submissão ao Senhor. O fato é que muitas canções não abordam este tipo de colocação ou a fazem de maneira isolada. Já nesta letra, temos um conjunto de frases que levam a este entendimento bíblico, fazendo com que o se cante com consciência e amparo bíblico, rumo a uma humildade santa.

Eu não preciso de glória, eu não preciso de honra
A minha glória é te servir toda honra é para ti
Seu nome está acima, acima de toda terra
A caso o servo dirá ao seu senhor que lhes fará

Uma das grandes dificuldades do homem pecador é viver sem suas honrarias e glórias. Quando o Senhor se revela a Paulo e diz “A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2Co 12.9), certamente não foram palavras fáceis de se assimilar. Naturalmente, não gostamos de depender dos outros. Não é nossa vontade a submissão; simplesmente odiamos isso!

A questão é que entre viver para si mesmo ou para o Senhor, precisamos ter a certeza de que fazendo tudo para a glória de Deus (1Co 10.31), estamos vivendo o melhor para nós. Sim, querido leitor, isto não é nada fácil e a Bíblia nos dá inúmeros exemplos de crentes lutando para confiar n’Ele, justamente “Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis” (Gl 5.17). Lembremos, porém: “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor” (Is 55.8). Como diz em Apocalipse, melhor é comprar do Senhor, do que receber do mundo (Ap 3.18).

Sobre o nome do Senhor estar acima de todo e qualquer outro, já temos o registro: “Acima de todo o principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo o nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro” (Ef 1.21). Tanto é verdade que temos a revelação: “Quem te não temerá, ó Senhor, e não magnificará o teu nome? Porque só tu és santo; por isso todas as nações virão, e se prostrarão diante de ti, porque os teus juízos são manifestos” (Ap 15.4). Nada nem ninguém, pode usurpar a soberania de Deus.

No mesmo sentido, é necessário o entendimento de que somos constantes servos do Altíssimo. Escrevendo aos crentes em Roma e explicando que Deus fez alguns homens para honra e outros para desonra, isto é, alguns com o claro propósito de perdição (Pv 16.4), já antevendo os questionamentos, registra o apóstolo: “Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?” (Rm 9.20). Deus é Deus e não nos deve explicação alguma, amém?

Eu não sou nada sem ti

Finaliza a letra, ecoando a Escritura mais uma vez, a qual registra as palavras de Cristo: “Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer” (Jo 15.5).

Assim sendo, encerro esta análise a colocando na categoria de “boa e recomendável ao culto público”, uma vez que do começo ao fim, vemos a Escritura sendo o plano de fundo de toda a letra.

Por: Filipe Machado. Revisão: Filipe Castelo Branco. Copyright © Cante as Escrituras 2015. Original: No Lugar Mais Alto – Diego Natan (Análise)

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.