Na semana passada, eu tive o privilégio de participar na conferência “Cutting it Straight” (Cortando Direito) em Jacksonville, Estados Unidos, liderada por H.B. Charles Jr., na Igreja Batista Metropolitana Silo.

Em dois dos seminários me foi atribuído o tema “O que os pastores/líderes de louvor queriam que seus líderes de adoração soubessem”. Foi um pouco desafiador porque os pastores e músicos variam amplamente em termos de sua teologia e prática. Mas aqui está minha tentativa de definir com precisão “o que os pastores queriam que seus líderes de louvor soubessem”. Embora esta publicação ressalte áreas que possam resultar problemáticas, os pastores regularmente devem falar com seu líder de louvor sobre o apoio e evidências da graça antes de mostrar coisas que poderiam ser melhores. Para os propósitos desta publicação, estou usando o termo “líder de louvor” para descrever uma pessoa que não é idosa e que lidera a música durante as reuniões da igreja.

1. Os pastores, não os líderes de louvor, darão conta a Deus pelas pessoas na sua igreja (Hb 13:17).

Os pastores são, em última instância, os responsáveis pelo ensino e do repertório de cânticos da igreja. Os pastores deveriam saber de antemão quais cânticos serão cantados e deveriam ter um papel de escolhê-los. Se você quer a confiança de um pastor, terá que ganhá-la.

2. A palavra de Deus para nós importa mais que a palavra de nós para Deus (Is. 66:2; Sl. 19:7-11).

O ministério da música é um ministério da Palavra. Não subestime o valor de proclamar a Palavra de Deus apaixonadamente. Procure conhecer a sua Bíblia mais que o seu instrumento. Lidere-nos para cantar a Palavra, ouvir a Palavra, ver a Palavra, e orar a Palavra.

3. Somos o que cantamos. Então, escolha nossos cânticos e hinos de maneira sábia (Cl. 3:16).

Você está discipulando a congregação através da escolha dos seus cânticos e palavras. Por bem ou por mal, nossas igrejas se lembrarão mais das palavras que cantam que dos sermões que escutam. Construa um repertório de cânticos que nos permita expressar a variedade dos aspectos da glória de Deus e das respostas apropriadas, e tenha certeza de que estamos cantando estes cânticos.

4. Enquanto que as introduções aos cânticos são de bom proveito, o líder de louvor não é o pregador.

Sua tarefa primordial é possibilitar que a Palavra de Cristo habite em nós enquanto cantamos, e não pregar. Quando você fala, normalmente menos é mais. Escolha bons cânticos e deixe que os cânticos se encarreguem do ensino.

5. As orações são conversas coletivas com Deus, não são enrolação.

Não ore simplesmente porque você se sente estranho ou porque não sabe mais o que fazer. Use as suas orações para falar pela congregação, não somente por você. Modele-a na maneira em que se vê uma oração teologicamente informada, comprometida e que exalta a Cristo. Não misture os membros da Trindade e não ore como se Deus tivesse esquecido o seu nome.

6. Seu trabalho é apoiar o canto na congregação, não sobrecarregá-lo nem substituí-lo (Ef. 5:18-19, Ap. 5:9-10).

Tenha certeza de que o seu operador de som reconheça o valor da voz da congregação. Se você canta em harmonia constantemente, alguns de nós vamos ter dificuldades em saber qual é a melodia. Não assuma que a sua banda têm que tocar constantemente. Fique distante dos microfones algumas vezes, deixe de tocar os instrumentos e nos deixe cantar a capela.

7. A verdade importa mais que as melodias, mas isso não significa que devemos cantar boa teologia com má melodia ou um mau acompanhamento.

Escolha os cânticos que a congregação goste de cantar e que possa cantar. Procure, às vezes, mudar o arranjo, o tempo ou o “feeling” de um cântico para que a congregação possa escutar a letra de uma forma mais natural.

8. Tons musicais que servem à congregação têm prioridade sobre os tons que fazem você parecer bom (Fm. 2:3-4).

Não viemos primordialmente para ouvir você cantar, senão para levantar nossas próprias vozes. Se você tem que cantar mais alto, ocasionalmente tente adicionar tons diferentes que subam o impacto e o significado das letras que estamos cantando. As congregações se cansam se têm que cantar várias notas altas em Ré e Mi. Se estamos cantando Fá sustenido, então provavelmente eles baixarão uma oitava ou vão desmaiar.

9. Não nos mostre tantos cânticos novos que nunca possamos aprender, e tão poucos que não possamos nos beneficiar deles.

Aprender dois cânticos a cada três meses é viável. Aprender quatro cânticos em um mês não é. Temos acesso imediato a mais cânticos que em qualquer tempo da história. Mostre-nos aqueles que vão alimentar nossa alma por mais que por poucas semanas. Se o seu propósito é nos servir, você não deve tentar nos impressionar.

10. Culpar o seu pecado pelo fato de ser um artista ou músico não o faz ser menos pecaminoso.

O mau humor, a suscetibilidade, a procrastinação, o orgulho, a irresponsabilidade e a preguiça não se devem ter certo temperamento, senão um pecado que habita em você. Conhecer pessoas que não são músicos na igreja pode te dar perspectiva e alento.

11. Sua meta na liderança não é demonstrar sua capacidade para cantar, mas pastorear e participar.

Se geralmente as pessoas na igreja não estão cantando, você está demonstrando sua capacidade para cantar, não liderando a adoração congregacional. Seu trabalho não está pronto porque você praticou. As pessoas têm que cantar. Liderar na maior parte do tempo com o seus olhos abertos comunicará o seu interesse e te ajudará a medir como as pessoas estão reagindo.

12. Você não é o Espírito Santo, mas pode depender dEle.

A música não pode mudar nossos corações, iluminar nossas mentes ou mudar nossas vidas. Mas o Espírito de Deus pode. Você não tem que nos dizer que “cantem mais alto” ou que “cantemos como se sentissem” ou estimular-nos com um “Vamos!”. Nos dê combustível doutrinário para o nosso fogo emocional e confie que o Espírito fará o restante. Quando você passar tempo em oração pedindo a Deus que te dê poder no que faz, vai liderar mais frequentemente com uma confiança humilde que é fácil de seguir.

13. Finalmente, Cristo é o nosso líder de louvor, não você e nem eu (Hb. 2:11-12, 8:1-2).

Você não tem que nos levar ao trono. Cristo já fez (Hb. 10:19-22). Não tem que sentir pressão ou estar ansioso quando estiver nos liderando. Cristo aperfeiçoa todas nossas ofertas (1 Pd. 2:5).

Quanto mais você nos mostrar o que Cristo fez e faz por nós, menos vamos te ver e mais nos beneficiaremos das formas em que Deus te dotou.

Se você é um pastor e se identifica com alguns ou muitos dos pontos citados, não guarde para você. Mais importante ainda, chame teu líder de música para jantar e mostra seu apreço de maneira específica. Então fale sobre o que poderia ser melhor. Quem sabe o que Deus pode fazer?

Por: Bob Kauflin. Copyright © 2014 Worship Matters. Fonte: What Pastors Wish Their Worship Leaders Knew.

Original: O que os pastores queriam que os seus líderes de louvor soubessem. © 2015 Cante as Escrituras. Website: CanteAsEscrituras.com.br. Todos os direitos reservados. Tradução: Renan Bandeira. Revisão: Filipe Castelo Branco.