A principal missão da igreja não é missões, mas adoração. O fim principal do homem é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre. Mas o que é adoração? Jesus disse para a mulher samaritana que o que adoração não é: Em primeiro lugar, a adoração não é centrada em lugares sagrados (Jo 4:20). Não é neste monte nem naquele. Não existe lugar mais sagrado que outro. Não é o lugar que autentica a adoração, mas a atitude do adorador. Em segundo lugar, a adoração não pode ser sem entendimento (Jo 4:22). Os samaritanos adoravam o que não conheciam. Havia uma liturgia desprovida de entendimento. Havia um ritual vazio de compreensão. Em terceiro lugar, a adoração não pode ser descentralizada da pessoa de Cristo (Jo 4:25-26). Os samaritanos adoravam, mas não conheciam o Messias. Cristo não era o centro do seu culto. Nossa adoração será vazia se Cristo não for o seu centro. O culto não é para agradar os homens. A música não é para entreter. A verdadeira música vem do céu e é endereçada ao céu (Sl 40:3).

Jesus diz, também, para a mulher samaritana o que a adoração é: Em primeiro lugar, a adoração precisa ser bíblica (Jo 4:24). O nosso culto é bíblico ou é anátema. Deus não se impressiona com pompa, ele busca a verdade no íntimo. Em segundo lugar, a adoração precisa ser sincera (Jo 4:24). Ela precisa ser em espírito, ou seja, de todo o coração. Precisa ter fervor. Não é um culto frio, árido, seco, chocho, sem vida.
Em face da exposição de Jesus sobre este magno assunto, podemos extrair alguns princípios bíblicos que devem nortear a vida do adorador.

1. O adorador precisa entender que a sua vida é a vida da sua adoração – Deus não está procurando adoração, mas adoradores que o adorem em espírito e em verdade. A prática da adoração está enraizada na vida do adorador. A prática da adoração jamais poder ser divorciada da pessoa do adorador. Deus rejeitou Caim antes de rejeitar sua oferta. Se a vida não estiver certa com Deus, o culto será uma ofensa a Deus (Pv 15:8). E.M.Bounds disse: “Nós estamos procurando melhores métodos; Deus, porém, está procurando melhores homens. Deus não unge métodos, unge homens.”

2. O adorador precisa entender que a adoração não é uma questão de performance diante dos homens, mas de sinceridade diante de Deus – O profeta Isaías levantou a sua voz em nome de Deus e disse: “Este povo me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim.” Davi compreendeu que Deus procura a verdade no íntimo. Hofni e Finéias trouxeram a Arca da Aliança, símbolo da presença de Deus, para o acampamento e o povo foi derrotado, porque estavam vivendo em pecado. A Palavra de Deus diz: “Aborreço, desprezo as vossas festas e com as vossas assembléias solenes não tenho nenhum prazer. E, ainda que me ofereçais holocaustos e vossas ofertas de manjares, não me agradarei deles, nem atentarei para as ofertas pacíficas de vossos animais cevados. Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos, porque não ouvirei as melodias das tuas liras. Antes, corra o juízo como as águas; e a justiça, com ribeiro perene” (Am 5:21-24).

3. O adorador precisa entender que um culto divorciado da vida cotidiana não agrada a Deus – Culto sem conexão com a vida diária é entretenimento espiritual. O apóstolo Paulo diz que o culto racional não é apenas um tempo de cântico que temos na igreja, mas a oferta do nosso corpo a Deus na dinâmica da vida (Rm 12:1). O profeta Jeremias denunciou o perigo de uma reforma externa sem uma transformação interna e a falsa confiança no templo, no culto, na liturgia ( Jr 7:1-15).

4. O adorador precisa entender que se Deus não for honrado no culto, ele é tempo perdido – O profeta Malaquias fala dos sacerdotes que não honravam a Deus. Eles desprezavam o culto. Eles não ofereciam o seu melhor. Eles faziam a obra do Senhor relaxadamente. Deus os aconselhou no a apagarem o fogo do altar e a fecharem a porta da igreja. Estavam perdendo tempo. A quem estamos honrando quando cultuamos: a nós mesmos ou a Deus?

5. O adorador precisa ter luz na mente e fogo no coração – O adorador é uma pessoa que arde no altar. Ele está iluminada pela verdade e inflamado de zelo pelo Senhor. Ele está face a face com Deus. Ele está diante da shekiná de Deus. Ele lida com o sublime. Adoração sem paixão, sem calor, sem entusiasmo não é adoração. Estar diante de Deus sem profundo senso de quebrantamento e admiração é uma impossibilidade. O adorador vem do santos dos santos para a presença do povo. Seu rosto deve resplandecer. Sua alma deve estar em chamas. Seu louvor deve ser um aroma suave.

Por: Hernandes Dias Lopes. Copyright © Palavra da Verdade 2005. Original: Adoração, a maior razão da nossa existência

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.