Hoje estou continuando do lugar que parei no último artigo sobre meus pensamentos a respeito do culto de jovens.

1. Participação no Culto

Na maioria dos grupos de jovens, os cultos incluem meia hora ou mais de canções de adoração e depois vinte minutos ou menos de ensino bíblico. A oração ocupa, tipicamente, menos de dois minutos de um culto de adoração. Esse tipo de culto agrada muita gente, especialmente aqueles que são bons cantores. Mas pode, inadvertidamente, levar a um excesso de ênfase na banda e cantores. Não só isso, na busca de um bom som, o grupo de louvor pode, inadvertidamente, dar a impressão de superioridade. Os jovens que não são musicalmente talentosos se sentem fora da adoração.

Cultos de jovens devem caracterizar mais variedade na expressão do culto. A meia hora de canto é demais para qualquer um. Basta prestar atenção para ver quem ainda está cantando aos 25 minutos. Normalmente, é apenas a banda do culto e um punhado de adolescentes roucos. Outra razão pela qual muitos adolescentes não cantam na adoração é porque a banda costuma tocar muito alto e os jovens não podem nem mesmo ouvir a si mesmos.

É especial ouvir um ou outro cantando. Eu entendo porque alguns líderes de louvor dizem aos fiéis para “fecharem os olhos e esquecerem os outros”. Eles querem que os adoradores se concentrem apenas em Deus. Mas se a adoração congregacional é tudo sobre mim e Deus a sós, eu posso fazer isso em casa. Dê-me um CD do Chris Tomlin e vou me trancar em um armário com a minha Bíblia e, assim, adorar por um hora.

Mas há algo especial quando, juntos, cantamos e louvamos a Deus – como uma comunidade de crentes, como as pessoas que estão focadas em sua glória a Deus e na edificação dos outros. Eu não quero fechar os olhos e pensar somente em Deus quando estou na igreja. Eu quero ver como a obra de Deus se realiza na vida dos meus irmãos e irmãs. Gosto de ver os outros cantando e louvando, rogando a Ele e ouvindo a Palavra.

Os jovens de hoje são mais isolados do que nunca, mesmo com seus iPods e mensagens instantâneas. Eles são colocados, na maioria das vezes, separados da sociedade e anseiam por relacionamentos reais. Não vamos dar-lhes mais do mesmo em nosso culto. Esta é a oportunidade para que eles se conectem com Deus e uns com os outros.

2. Estilo Musical

Quando as pessoas me perguntam o que eu penso sobre a adoração, elas quase sempre se referem ao estilo musical. Eu gosto de tantas formas de adoração que eu até hesito em responder a essa pergunta. Gosto de música cristã contemporânea e prefiro uma banda no culto do que somente um órgão e piano. A maioria dos jovens também são assim.

Preferência musical não deve ser o fator decisivo em um culto de adoração. Algumas crianças gostam de rap – isso significa que devemos tocar rap na adoração? Algumas crianças gostam de country – devemos, então, tocar country? Todo mundo prefere um estilo em vez de outro. A chave é transcender essas preferências e oferecer algo que agrada a maioria (sem se tornar branda) e se concentrar em Deus, e não no estilo de música.

Eu vou ter mais algumas reflexões sobre o culto de jovens amanhã…

Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4

Por: Trevin Wax. Copyright © 2007 The Gospel Coalition. Original: Youth Worship 2: Participation and Music

Tradução: Thiago Holanda. Revisão: Filipe Castelo Branco. © 2016 Cante as Escrituras. Original: Culto de Jovens 2: Participação e Música

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.