Ainda sou jovem, mas pode me chamar de velha guarda. Líderes de louvor devem agir profissionalmente. E eles devem ajudar suas equipes/bandas/corais/voluntários profissionalmente também. Deve haver uma atmosfera de profissionalismo em torno das pessoas que servem no ‘front’ e/ou nos bastidores de um culto, e em todo o espectro de expressões de um culto, desde os tradicionais corais até as bandas de rock casuais. Por quê? Porque tudo o que fazemos prega uma mensagem. Desleixo e despreparo pregam a falta de honra: seja para as pessoas presentes, seja para Aquele a quem nós estamos (espero) cultuando. Nós nos tornamos ineficazes quando perdemos nosso amor por nossas congregações, e nós nos tornamos címbalos que retinam.

Eu já liderei em todos os tipos de ambientes. Desde os muito tradicionais (terno e gravata, coral, órgão, liturgia) para os muito casuais (jeans, banda, informalidade), e eu não estou defendendo ou empurrando um estilo sobre o outro. Eu sou um cara do tipo Salmo 150, que acredita que Deus pode usar qualquer coisa (e qualquer tipo de música) para a sua glória, e que considera o contexto para ser a chave para decidir que tipo de música serve a um determinado grupo de pessoas melhor.

E em cada contexto, um líder de louvor pode ser chamado para servir, e essa chamada é uma honra. Essas pessoas precisam ver Jesus. E o líder de louvor pode fazer certas coisas para ajudá-los a ver Jesus de forma mais clara, ou, por outro lado, fazer coisas para chamar a atenção para ele mesmo. E assim como ‘performancismo’ é perigoso em apontar as pessoas para os artistas, assim também é uma falta de profissionalismo.

Um líder de louvor que mantém as coisas profissionalmente:

É bem preparado, e espera (e ajuda) que as pessoas na plataforma estejam bem preparadas também.

Não ensaiam enquanto as pessoas estão chegando para se sentar no começo do culto. Ele/ela sabem quando devem parar.

Não lidera a congregação como se eles fossem estúpidos, ou como se eles fossem seus amigos do colégio, mas como adultos e dignos de respeito.

Não se vestem de forma a chamar muita atenção, mas adequam-se ao contexto.

Conhece o seus parâmetros. Foi dado 20 minutos? Use 19.

Trata os voluntários, técnicos e toda a equipe com respeito… eles não são seus ‘rodies’.

Mantém a plataforma organizada (organiza os cabos bagunçados, não deixa restos de comida do ensaio, etc.)

Se importa e trabalha pelo sucesso de todo o culto, não somente do momento de louvor.

É um jogador em equipe. Você não é a estrela, você é apenas uma das partes do corpo.

Um líder de louvor não deve se colocar em uma fachada, ou assumir um ‘perfeccionismo querubim’ quando está diante de uma congregação, mas certamente deve assumir uma maior sensibilidade no sentido de evitar agir de forma irreverente ou irritante. Em qualquer contexto de igreja, as pessoas encarregadas da liderança devem prosseguir numa modelagem confiante, humilde, preparada e profissional para o seu papel, dentro dos seus contextos originais. Relaxar e ser você mesmo, mas fazê-lo com um coração de servo para as pessoas sentadas nos bancos.

Agindo de forma profissional ajuda a realizar um dos principais objetivos dos líderes de louvor: diminuir para Jesus crescer. Isso reflete o nosso amor para com as pessoas que estamos conduzindo na adoração.

Por: Jamie Brown. Copyright © 2015 Worthily Magnify. Original: Keeping Things Professional

Tradução: Thiago Holanda. Revisão: Filipe Castelo Branco. © 2016 Cante as Escrituras. Original: Mantendo as Coisas Profissionalmente

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

comentário(s)