Recentemente estava falando com um amigo que participou de um banquete de arrecadação de fundos em um hotel para um ministério cristão sem fins lucrativos. Após o jantar, a programação iniciou com uma equipe de louvor de uma igreja local tocando algumas canções. E quando eu digo “algumas canções”, quero dizer seis ou sete músicas. Meia hora de canções. Além disso, a maioria das músicas eram desconhecidas para qualquer um que não frequenta a igreja deste referido grupo de louvor.

Meu amigo descreveu uma cena estranha: o líder de louvor manteve todo o povo em pé, a metade de trás ficou cansada e sentou, e a metade da frente, sem ver os detrás sentados, permaneceu de pé. Quando o líder de louvor terminou, houve um suspiro sutil de alívio.

Eu não estava lá, eu não conheço esse líder, e eu não sei quem lhe pediu para tocar as músicas e quanto tempo deram. Eu posso imaginar um cenário em que alguém pede para um líder de louvor “liderar algumas músicas por 20 minutos mais ou menos”, não sabendo que isso pode realmente ser bastante longo em um jantar de angariação de fundos e que as palavras “mais ou menos” são já tomadas como se fosse “menos”.

E eu já tive minhas experiências de adoração, quando olho ao redor do salão e vejo que há algumas pessoas que, simplesmente, não estão sintonizadas. Talvez seja porque estou demorando muito ou tocando músicas que elas não conhecem, mas talvez o problema seja com eles. Quem sabe.

Mas, apesar de há muito tempo eu não passar por esta situação particular (isto é, todos os detalhes), ainda me faz lembrar de um princípio importante sobre liderar a adoração: às vezes mais curto, é melhor.

Se lhe for dada a escolha de ser mais demorado, ou mais curto, eu vou escolher sempre o mais curto. Eu prefiro deixar as pessoas querendo mais, ao invés de deixá-las querendo me ver calado.

Cada igreja, cada culto, cada jantar de angariação de fundos, e cada evento é diferente. Se você foi convidado para liderar o louvor em algum evento como esse é de sua responsabilidade descobrir quem está no comando e quais seus critérios.

Mas só porque você recebeu 30 minutos não significa que você deve tomar todos eles. Às vezes você deve. Às vezes você vai passar do tempo, se for assim que funciona. Mas, às vezes, mesmo que você tenha recebido 30 minutos, é melhor ficar somente nos 15.

Eu tendo a usar todos os minutos que me são dados no culto do Domingo pela manhã, ou quando estou conduzindo um culto ou evento para um grupo de pessoas que eu conheço e que me conhecem. Mas se eu estou liderando um grupo desconhecido, ou tocando a música em um jantar, geralmente penso em errar no lado da brevidade e familiaridade. É difícil dar errado dessa forma.

Canções médias são de 3-4 minutos de duração. Adicionando as repetições, transições, orações, etc., uma canção média durante um tempo de adoração congregacional pode demorar 5 minutos ou mais. Quando você estiver planejando um conjunto de canções, pense em cada canção levando 5 minutos. Desta forma, você está construindo uma organização para si mesmo.

É sempre estranho quando um convidado fica além do que foi convidado. Não é que você não goste da presença dele, mas é hora de seguir em frente, para que você também possa seguir em frente. A mesma regra aplica-se aos líderes de louvor. Não ultrapassem o seu “bem-vindo”. Mais curto é melhor.

Por: Jamie Brown. Copyright © 2015 Worthily Magnify. Original: When Shorter is Sweeter

Tradução: Thiago Holanda. Revisão: Filipe Castelo Branco. © 2016 Cante as Escrituras. Original: Quando o Mais Curto é Melhor

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.