Em geral, vários grupos, ministérios de louvor, bandas e cantores famosos espalhados pelo Brasil tem realizados seus Workshops além dos shows gospels em suas turnês. Eles estão implantando uma mentalidade muito perigosa em seus treinamentos intensivos de finais de semanas.

O alerta que deve ser soado é no conceito de adoração aplicado no louvor congregacional. A galerinha em geral está aprendendo por aí que adoração é conectar-se com Deus e a música é o canal que Deus nos deu para exprimir todas as nossas emoções na adoração a Ele. Desta forma, para eles, a adoração a Deus é uma experiência subjetiva que deve sair de seu próprio coração. Isto, segundo eles, depende de sua disposição e vontade para que Deus seja adorado.

Isto é muito perigoso e totalmente fora das Escrituras. Primeiro que adoração não significa conectar-se com Deus, mas é atribuir a Deus de forma racional todo reconhecimento de Sua pessoa, de Seus atributos e obras de Suas mãos. A adoração a Deus não é uma ação meramente subjetiva, mas é objetiva. O foco da adoração a Deus é a obediência a Sua Palavra. Por isso, Deus é quem nos determina o modo como Ele quer ser adorado e se Ele aceita ou não a nossa adoração. E isto está na Palavra. A partir deste ponto é que se entende o propósito da música no culto. Ela nos leva a refletir com a consciência a necessidade de aprender e se envolver com as Escrituras.

Mas, quanto ao problema aqui tratado, permita-me dar um exemplo muito simples. Um determinado cantor que no seu momento a sós, no banheiro de sua casa tomando um banho, resolve compor uma música que expressa naquele momento todas as suas emoções exprimidas relacionada ao seu banho. Envolvendo Deus naquele contexto, o cantor de chuveiro pede a Deus que venha lhe molhar, inspirar, lavar e limpar. Isto é no mínimo muito constrangedor para alguém que dirá para o próprio Deus.

Pior ainda, é se alguém resolve colocar na boca de Deus o que Ele não disse em Sua Palavra. Por exemplo. Já ouvi músicas em que Deus supostamente afirmava que “nós éramos tudo o que Ele sonhava”. Por favor! Deus não sonha e Ele não precisa dormir porque não se cansa. E lembre-se, as Escrituras nos diz que não passamos de trapo de imundícia, depravados, pecadores miseráveis que carecem da misericórdia Dele (Sl 130: 3; Is 64:6-7; Mc 7:21; Rm 3:23; Ef 2:1). Que absurdo alguém afirmar que Deus precisa dEle! Se você canta esse tipo de música, simplesmente está dizendo que quer tomar o lugar de Deus. Isto é IDOLATRIA!

O problema é que este tipo de canção predomina em nossas congregações. Parece-me que a ansiedade desesperadora das equipes de louvor em produzir uma “adoração de sucesso” tem motivado a busca por artistas “evangélicos” de grande repercussão para servir de orientação e referência seja no modo como as músicas que se propõe cantar no culto.

Se sua equipe precisa ser ensinada e bem orientada quanto a uma adoração correta com a música no culto solene, deve-se estudar música e teologia, ou seja, é inadmissível que uma equipe de louvor seja medíocre na sua formação técnica em música. Pior ainda, como um cristão, ser fraco no estudo aprofundado das Escrituras. Conhecimento raso da Palavra leva a uma adoração também rasa. Conhecimento errado das Escrituras leva a uma devoção e liturgia fora da vontade de Deus. Isto também inclui a música no culto.

Em vez de procurar um artista ou uma banda famosa pra lhe orientar na adoração a Deus, cobre de seu pastor ou pastores que ensinem sobre o que é adoração bíblica. O nosso trabalho como pastores é exatamente este: ensinar fielmente a Palavra. E por último, seja mais seleto nas escolhas das canções para os cultos em sua igreja. CUIDADO COM AS CANÇÕES DE CHUVEIRO! Cante as Escrituras!

Por: Rogério Bernini Junior. Copyright © 2012 Música Reformada. Original: Cuidado com as Canções de Chuveiro na Adoração

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.