É Domingo de manhã. Você finalmente conseguiu percorrer a única faixa de trânsito que não estava bloqueada pelos cones laranjas que desceram à noite como gafanhotos. Você cuidadosamente manobrou o labirinto do estacionamento enquanto o seu filho chuta a parte de trás do seu banco do carro. Enquanto a sua pequena tribo desembarca do carro da alegria, você analisa a caminhada até o lobby e se pergunta se deve racionar a comida para a viagem. Você transfere seus direitos parentais temporariamente para a amistosa equipe do berçário e se esgueira com um copo de café ilegalmente para dentro do local de adoração. Enquanto você desliza para um banco no fundo e solta um suspiro, você pensa consigo mesmo, Finalmente, estou pronto para um tempo entre Deus e eu! Correto?

Errado. Bem, no mínimo incompleto.

Certamente você está certo de vir com a expectativa de um encontro com Deus de forma especial, num Domingo de manhã. Mas há uma diferença importante entre um tempo de tranquilidade coletivo e uma adoração congregacional.

O Prazer da Assembléia

A Bíblia de Jesus foi dividida em três partes: a Lei, os Profetas e os Escritos. Os Escritos formam a seção final, e descrevem a alegria e benção de viver em um relacionamento de aliança com Javé. Curiosamente, as referências à “assembléia” do povo de Deus, escalam de forma dramática enquanto nos aproximamos do final do cânon hebraico. É como se a Bíblia Hebraica se rompesse em celebração a respeito da assembléia como um dos principais dons da vida em aliança. A maioria esmagadora (mais da metade!) dessas referências estão no livro final, brutalmente otimista, Crônicas.

Crônicas descreve Davi como sendo quem reuniu todo Israel (1 Crônicas 11:1; 13:2, 8) para adorar Javé juntos.

Então Davi disse a toda a assembléia: “Louvem o Senhor, o seu Deus”. E todos eles louvaram o Senhor, o Deus dos seus antepassados, inclinando-se e prostrando-se diante do Senhor e diante do rei. (1 Crônicas 29:20)

Comungar com o Deus Vivo é algo bom e precioso. Mas os Escritos salientam que é ainda mais prazeroso compartilhar essa experiencia junto com seus irmãos e irmãs.

A Sabedoria da Igreja

Crônicas incentiva o leitor ao antecipar um dos maiores acontecimentos do Novo Testamento – a criação da Igreja Cristã. A esperança Messiânica de Crônicas nos faz procurar por um novo rei ungido que reunirá todo o povo de Deus. Não nos surpreende quando então um novo Filho de Davi faz esse anúncio culminante:

“e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do Hades não poderão vencê-la.” (Mateus 16:18)

Afinal, essa palavra “igreja”, ou ecclesia, é a mesma palavra que a tradução grega do AT usa para a “assembléia” de Israel. Jesus satisfaz o perfil Messiânico encontrado em Crônicas, reunindo o povo da Nova Aliança. E essa assembléia não pode ser detida nem mesmo por toda a fúria do Inferno:

A igreja passava por um período de paz em toda a Judéia, Galiléia e Samaria. Ela se edificava e, encorajada pelo Espírito Santo, crescia em número, vivendo no temor do Senhor. (Atos 9:31)

A intenção dessa graça era que agora, mediante a igreja, a multiforme sabedoria de Deus se tornasse conhecida dos poderes e autoridades nas regiões celestiais, (Efésios 3:10)

A assembléia do povo de Deus era algo maravilhoso, mesmo que poucas vezes ao ano, em Jerusalém, durante a Antiga Aliança. E agora, na sabedoria e graça de Deus, ele manifesta sua presença espiritual de maneira única e especial, na Igreja. (ver Mateus 18:17, 20; 1 Corintios 3:16), reunião regular do povo da Nova Aliança em todo o mundo.

Então, quando você vai para o seu assento no Domingo de manhã, você está encontrando Deus. Mas, de uma forma formidável, você está fazendo isso juntamente com outros. Adorar a Deus lado a lado é um dos maiores prazeres do relacionamento de compromisso com Deus.

Honrando o Anfitrião

Pode ajudar se pensarmos em uma analogia. Se você oferecer um jantar e convidar alguns amigos de diferentes círculos sociais, quão decepcionante seria se seus amigos escolhessem interagir apenas com você? Um dos grandes prazeres de ser anfitrião é conectar as pessoas que você ama.

Quando nós tratamos a adoração congregacional como sendo nosso encontro particular com Deus, nós não apenas desonramos nosso grande Anfitrião, mas privamos a nós mesmos da alegria de compartilhar nosso amor mútuo ao Rei, que nos convidou para o seu banquete. Não apenas nos reunimos com diferentes círculos sociais, mas também com todas as tribos, línguas, pessoas, e famílias (Apocalipse 5:9). Nós honramos o anfitrião quando falamos com o famoso Rei unificador,“Quanto aos fiéis que há na terra, eles é que são os notáveis em quem está todo o meu prazer.” (Salmos 16:3)

Não negligencie o maior presente da aliança. Nós adoramos a Jesus juntos.

Por: Ryan Shelton. Copyright © 2014 Desiring God. Original: Corporate Worship Is Better Than Your Quiet Time

Tradução: Calebe Sequeira. Revisão: Filipe Castelo Branco. © 2017 Cante as Escrituras. Original: Adoração congregacional é melhor que o seu tempo de tranquilidade

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.