Calvino vê os Salmos como o manual canônico da piedade. No prefácio de seu comentário, em cinco volumes, sobre os Salmos – sua maior exposição de qualquer Livro da Bíblia -, Calvino escreve: “Não há outro livro em que somos mais perfeitamente ensinados sobre a maneira de orar a Deus, ou em que somos mais poderosamente estimulados à realização desde exercício da piedade.”

A preocupação de Calvino com o Saltério foi motivada por sua convicção de que os Salmos ensinam e inspiram a genuína piedade, das seguintes maneiras:

  • Como a revelação de Deus, os Salmos nos ensinam sobre Deus. Por serem teológicos e igualmente doxológicos, eles são nosso credo cantado.
  •  Ensinam claramente nossa necessidade de Deus. Eles nos informam quem somos e por que necessitamos do auxílio de Deus.
  • Oferecem o divino remédio para nossas necessidades. Apresentam Cristo em Sua pessoa, ofícios, sofrimentos, morte, ressurreição e ascensão. Anunciam o caminho da salvação, proclamando a bem-aventurança da justificação pela fé somente e a necessidade de santificação pelo Espírito com a Palavra.
  • Demonstram a espantosa bondade de Deus e nos convidam a meditar sobre Sua graça e mercê. Eles nos conduzem ao arrependimento e ao temor de Deus, a confiarmos em Sua palavra e a esperarmos em Sua mercê.
  • Eles nos ensinam a buscar abrigo no Deus da salvação através da oração e nos mostram como levarmos nossos rogos a Deus. Eles nos mostram como orarmos confiantemente no meio da adversidade.
  • Eles nos exibem a profunda comunhão que podemos desfrutar com nosso Deus que guarda a aliança. Mostram como a igreja viva é a noiva de Cristo, os filhos de Deus e o rebanho de Deus.
  • Proveem um veículo para o culto público. Muitos usam pronomes na primeira pessoa do plural (”nós”, “nosso”) para indicar este aspecto gregário; mas, mesmo aqueles com pronomes na primeira pessoa do singular, incluem todos os que amam o Senhor e são confiados a Ele. Eles nos elevam a confiarmos e a louvarmos a Deus e amarmos nossos semelhantes. Promovem a confiança nas promessas de Deus, no zelo por Ele e Sua casa, e compaixão pelo sofrimento.
  • Eles cobrem a fileira completa da experiência espiritual, incluindo fé e descrença, alegria em Deus e pesar pelo pecado, a divina presença  e a divina ausência. No dizer de Calvino, eles são “a divina anatomia de todas as partes da alma.” Vemos ainda, nas palavras dos salmistas, nossas enfermidades e doenças. Quando lemos acerca das experiência deles, somos levados, pela graça do Espírito, ao autoexame e à fé. Os salmos de Davi, especialmente, são como um espelho no qual somos levados a louvar a Deus e achar descanso em Seus soberanos propósitos.

Veja também:

Espiritualidade Reformada

Esse artigo é um trecho do livro “Espiritualidade Reformada”, publicado pela Editora Fiel.

Nestas páginas, o Dr. Joel Beeke oferece-nos um verdadeiro guia através da história da espiritualidade reformada e puritana. Uma teologia devocional, prática e histórica, que oferece um modelo de devoção robusta, madura e, sobretudo, bíblica. Através da vida de importantes personagens, somos encorajados a desenvolvermos uma vida cristã que glorifica a Deus, tanto no contexto da adoração e do culto público da igreja, como também em nossa devoção particular.

Uma obra profunda, histórica, instrutiva e desafiadora para a nossa própria geração.

Clique aqui para conhecer o livro

Por: Joel Beeke. © 2017 Editora Fiel. Website: EditoraFiel.com.br. Traduzido com permissão. Fonte: Trecho retirado do livro Espiritualidade Reformada.

Original: 8 maneiras de como os Salmos ensinam e inspiram a genuína piedade. © Ministério Fiel. Website: MinisterioFiel.com.br. Todos os direitos reservados.