No mês passado eu observei uma de minhas tradições de Outono favoritas no Norte da Virgínia.

Eu paguei meu imposto de propriedade pessoal do Condado de Fairfax.

Para o privilégio de dirigir em suas estradas, e estacionar meu carro em minha própria garagem, cada ano eu recebo uma conta nos correios do Condado de Fairfax, baseado nos valores dos dois carros que eu e Catherine, o que significa que eu tenho que escrever um cheque gordo toda primeira semana de Outubro. É maravilhoso. Enche-me de alegria outonal.

E assim como eu já fiz muitas vezes antes, eu obedientemente paguei meus impostos para satisfazer o governo do Condado de Fairfax. E agora eles estão satisfeitos.

Mas, no próximo verão, quando eles enviarem outro projeto de lei exigindo meu dinheiro na primeira semana de Outubro, não ficarão satisfeitos. Então eu vou ter que cumprir o meu dever cívico e satisfazer as exigências para que eles fiquem felizes novamente, e não me penalizem ainda mais, ou ameaçam levar meu carro.

É um ciclo constante de “exigências-pagamento-satisfação”, “exigências-pagamento-satisfação”, “exigências-pagamento-satisfação”, que nunca termina.

Parece com a forma que muitos entendem a adoração.

Deus exige isso. Então, nós obedientemente (se não com ressentimento ) damos, mesmo que seja muito ocasionalmente. E este “pagamento” de tipos irá satisfazer Deus e fazê-lo feliz conosco. Antes do nosso próximo pecado rolar. Ou antes do próximo domingo. E então Deus não estará mais contente conosco e exige que voltemos à igreja de novo, e assim fazemos, e ele vê que nós fazemos, e fica feliz. Por alguns dias. Então ele não fica mais feliz.

Você entendeu?

Adorar como se estivéssemos pagando impostos a um Deus exigente para fazê-lo feliz conosco é trágico. E eu acho que é sutil, o que torna ainda mais trágico.

Dois importantes corretivos:

Primeiro: Deus não exige nosso louvor para fazê-lo feliz.

Nas palavras de John Piper: “A exigência de Deus para o louvor supremo é sua exigência de nossa suprema felicidade. No fundo de nossos corações, sabemos que não fomos feitos para sermos grandes. Nós fomos feitos para fazer muita coisa grande… Se ele “humildemente” nos enviasse para longe de sua beleza, sugerindo que encontrássemos nossa alegria em outro, seríamos arruinados… a razão pela qual Deus busca nosso louvor não é porque ele não estará completo sem o mesmo. Ele está buscando nosso louvor porque não seremos felizes até o darmos. Isso não é arrogância. É amor.”

Eu amo isso. Deus não exige nosso louvor como um ditador maníaco que precisa encher seu próprio orgulho. Ele exige nosso louvor porque ele sabe que “não seremos felizes até o darmos”.

Segundo: Nosso culto não é um pagamento a Deus. Nossa adoração é em gratidão pelo pagamento de Jesus.

Quando as pessoas sabem que estavam mortas, mas agora estão vivas, louvam aquele que as criou para a vida. Nós nascemos espiritualmente mortos. Então Deus nos fez vivos juntamente com Cristo (Efésios 2:1-8). Esta é a motivação para a nossa adoração. Não estamos adorando a Deus para satisfazê-lo! Jesus o satisfez perfeitamente por nós. Essa é a motivação suficiente: simplesmente dizer “obrigado” de mil maneiras, em mil Domingos, com mil línguas.

Adoramos a Deus porque é para isso que fomos criados. E adoramos a Deus porque Cristo nos ressuscitou da morte para a vida.

Então eu vou continuar pagando meu imposto de propriedade pessoal para o Condado de Fairfax todos os anos. Vou continuar tentando fazê-los felizes comigo. Vou continuar tentando ficar do lado bom.

E eu adorarei a Deus com a plena certeza do perdão dos meus pecados, da graça sem fim, e um coração de agradecimento a Jesus, que pagou minha dívida para sempre.

Por: Jamie Brown. Copyright © 2015 Worthily Magnify. Fonte: O Praise The One Who Paid My Debt.

Original: Louvando aquele que pagou minhas dívidas. © 2017 Cante as Escrituras. Website: CanteAsEscrituras.com.br. Todos os direitos reservados. Tradução: Thiago Holanda. Revisão: Filipe Castelo Branco.