O fato de que livros são professores é bastante óbvio. O fato de que a música também é um professor talvez não seja tão óbvio assim. Mas é verdadeiro. As letras comunicam ideias, e essas ideias têm profundos efeitos espirituais e psicológicos em nós. Por isso, o evangelho precisa guiar o que escutamos.

O evangelho faz isso, em primeiro lugar, dando-nos parâmetros para apreciar a música com responsabilidade, não para nos restringir, mas para nos proteger. As palavras e as ideias em uma música podem sufocar nossa alegria, tirar a nossa paz, acabar com o nosso contentamento, tentar-nos para a cobiça ou nos tornar negligentes em relação ao pecado. Ao mesmo tempo, as palavras corretas podem nos consolar no sofrimento, provocar afeições por Cristo, convencer-nos do pecado e nos encorajar. Devemos ser ouvintes atentos, indagando se a música vai nos edificar e amadurecer em Cristo. Isso não significa que estejamos proibidos de ouvir música secular (existem verdades ricas em algumas delas); significa que devemos sempre nos perguntar se o que estamos ouvindo verdadeiramente honra e glorifica a Deus (1Co 10.31).

Há alguns anos, Bob Kauflin, pastor e músico cristão de Kentucky, pregou um sermão para estudantes sobre escutar música para a glória de Deus. Ele ofereceu seis palavras e ideias “para nos ajudar a refletir mais concreta e biblicamente sobre a música que escutamos”. Creio que são especialmente úteis para nós.

Submissão (Pv 19.20). Quando somos crianças, nosso chamado é, em primeiro lugar, obedecer aos nossos pais (leia mais sobre isso no capítulo 8), e uma grande parte disso significa nossa submissão à autoridade deles. Isso inclui a submissão de nosso entretenimento. Não podemos escutar qualquer coisa que queremos sem a aprovação deles. O que escutamos deve ser um ato gracioso de submissão às suas ordens e aos seus ensinamentos.

Contentamento (Fp 4.8). Músicas com letras que exaltam e glorificam o pecado não nos ajudarão a crescer espiritualmente, não importa quanto a melodia seja cativante. Reflita sobre as palavras que você está colocando na sua mente.

Associações (Pv 22.3). Se uma música está associada a determinada pessoa, lugar ou emoção, pode conduzir à tentação. Tome cuidado com isso. • Tempo (Pv 13.20). Passamos muito tempo escutando música. Esse tempo está ajudando o seu crescimento no evangelho ou está atrapalhando?

Fruto (Pv 14.14). Que tipo de fruto a música que você escuta produz em sua vida? São frutos bons ou ruins? Pergunte a si mesmo se a música que você escuta o deixa frustrado, ingrato ou irritado – ou você é inspirado por ela para a piedade?

Conversão (2Co 13.5). É importante lembrar que somente os cristãos têm a capacidade de exercer discernimento na área da música (ou em qualquer esfera da vida). Deus é quem nos dá a capacidade de diferenciar entre verdade e engano, então é somente através dos olhos espirituais que somos capazes de enxergar (e apreciar) a música da maneira correta.[1]

O evangelho também nos orienta sobre aquilo que escutamos, dando-nos a capacidade de verdadeiramente apreciar a música. Minha família ama a música profundamente e nós somos uma mistura eclética de diferentes estilos e artistas. Entre nós quatro, gostamos de tudo – música clássica, country, pop, rock, rap e hip-hop, hinos, dance music. Toda essa diversidade de estilos demonstra como as nossas personalidades individuais são emocionalmente afetadas de diferentes maneiras por diferentes músicas. Deus criou a música para isso. Ao longo da Escritura, vemos as pessoas expressando e refletindo suas emoções através da música (Êx 15; Is 12; Sl 98). Isso é um dom. Martinho Lutero amava música. Leia as palavras dele no prefácio de uma coletânea de motetos: “Eu, Martinho Lutero, desejo a graça e a paz de Deus, o Pai, e do nosso Senhor Jesus Cristo a todos os amantes da livre arte da música! Verdadeiramente desejo que todos os cristãos amem e reconheçam como digno o adorável dom da música, que é um tesouro precioso e digno, dado à humanidade por Deus”.4 Lutero conhecia a bem-aventurada verdade de que o evangelho dá aos cristãos a liberdade de expressar e apreciar a graça de Deus por meio da música. Ao mesmo tempo, o evangelho nos dá a capacidade única de crescer através da música.

• Estou me submetendo aos meus pais quando escuto isso?

• O conteúdo é verdadeiro e edificante?

• Associo essa música a algo puro e piedoso?

• O tempo que passo ouvindo essa música está ajudando no meu crescimento?

• Que tipo de fruto está sendo produzido em minha vida através dessa música?

• Estou enxergando essa música pelas lentes espirituais?

Jaquelle Rose Crowe. Isso muda tudo: Como o Evangelho Transforma a Vida de Garotos e Garotas (Locais do Kindle 1425-1432). Editora Fiel. Edição do Kindle.

[1] Bob Kauflin, “Escutando música para a glória de Deus”, worshipmatters.com, 13 de novembro de 2008, worshipmatters.com/2008/11/13/listening-to-music-for-gods-glory.

Este artigo é um trecho do livro Isso Muda Tudo

Meu nome é Jaquelle. Eu tenho 18 anos e amo sushi, chocolate amargo e filmes sobre futebol. Mas a melhor e mais importante coisa sobre mim é que o objetivo da minha vida é seguir Jesus. Ele mudou a minha vida. E esse é o assunto deste livro.

Em todo tempo, somos pressionados pelos padrões do mundo e nem percebemos o peso da influência que ele exerce sobre nós. Mas existe algo mais importante do que tudo isso e que tem o poder de transformar radicalmente a nossa vida: o evangelho de Jesus Cristo!

Junte-se a mim nesta leitura! Vamos juntos cavar as verdades do evangelho e descobrir a nossa verdadeira identidade em Cristo!

Por: Jaquelle Crowe. © Editora Fiel. Website: EditoraFiel.com.br. Traduzido com permissão. Fonte: Extraído do livro: Jaquelle Crowe, Isso Muda Tudo – Como o Evangelho transforma a vida de garotos e garota.

Original: 6 maneiras de avaliar a música que você escuta. © Ministério Fiel. Website: MinisterioFiel.com.br. Todos os direitos reservados.