Crescer em meio a adoração contemporânea dos anos 2000, onde milhares se reuniam nas “Conferências Passion” e os pilares da CCM começaram a lançar “gravações de adoração” que voaram das prateleiras, eu comecei a ficar entusiasmado por esse novo gênero. Mas apesar dessas canções contemporâneas moverem meu coração no sentido da liderança na adoração, também tiverem um efeito involuntário de afastar meu interesse pelo que eu percebi ser o remanescente das antigas gerações: os hinos.

Contudo, no verão seguinte ao meu primeiro ano de faculdade, um amigo e colega na liderança de adoração me mostrou sua interpretação do hino “God moves in a mysterious way”, de William Cowper. A mistura de guitarra acústica e a letra poética de Cowper me acertaram em cheio. Apesar da letra datar do século XVIII, pude identificar o alcance das emoções presentes nessa canção, desde uma intensa tristeza até uma alegria esmagadora.

Meu amigo me contou que muitos seminários e igreja por todo o país – incluindo a Red Mountain Church na minha cidade natal – estavam fazendo músicas como essa: mesclando textos obscuros com o estilo moderno. Minha exploração desses grupos me levaram da Red Mountains Church e Indelible Grace para Sandra McCracken, Matthew Smith e Biforst Arts.

Texto antigo, música nova

Ano passado, quando eu e minha esposa procurávamos por uma nova igreja, eu me deparei com a página da Cahaba Park Church localizada no subúrbio e Birmingham. E conhecia o líder de música deles, Adam Wright, do grupo local Act of Congress, e logo soube que o ministério de louvor daquela igreja, The Corner Room, produziram uma série de álbuns do gênero “letras antigas em estilos modernos”.

O projeto começou quando o pastor da igreja estava planejando uma série de sermões em Salmos. Wright quis então trazer uma nova composição para cada Domingo, que pudesse brotar integralmente das Escrituras e combinasse com a mensagem do pastor.

“O Salmo 1 foi o primeiro sermão, por isso eu decidi sentar e escrever uma música baseada nesse passagem”, explicou Wright. “Os salmos foram escritos originalmente como canções, então mais um caminho para o Evangelho, tanto quando os evangelhos ou as epístolas. Mas não há um coro ou verso definido preparados imediatamente como uma música.”

A série de sermões abrangeu 16 salmos naquele verão e continuou no ano seguinte, produzindo mais de 20 músicas. Wright recebeu um retorno positivo da igreja, pois afirmavam que cantar as Escrituras como músicas ajudava na memorização das verdades bíblicas. Ele logo montou um grupo de músicos locais para gravar as 10 composições que se tornariam o Psalm Songs Volume 1.

“Meu filho de dois anos estava brincando ao redor da casa cantando o Salmo 121”, disse Wright sobre os efeitos da gravação. “Eu acho que isso é algo que beneficiará tanto a atual quanto as próximas gerações. As Escrituras não vão mudar. Elas permanecem as mesmas e, por conta disso, esse projeto permanecerá relevante por muito tempo”.

Um EP seguinte, What Great Mystery, foi escrito e gravado. Apesar de três músicas (incluindo uma reinterpretação de “Doxology”) terem séculos de idade, Wright e The Corner Room incorporaram duas contribuições originais que focaram num hino de estilo tradicional de expressão lírica.

“Eu queria escrever de uma maneira que se você mantivesse o texto e removesse a música completamente, não pareceria algo de 200 anos atrás”, disse Wright.

Marcando 1 Coríntios 13

Nesse ano o álbum Lover Never Ends, focou na popular passagem de 1 Coríntios 13.  Uma sessão de 12 minutos apresentando o texto bíblico palavra por palavra da tradução bíblica ESV, expande o estilo enraizado da The Corner Room’s com uma peça orquestral de três movimentos marcados pelo arranjador e compositor Don Hart. Wright viu a passagem como uma oportunidade para desafiar as interpretações modernas da palavra “amor”.

“Culturalmente, amor é considerado como uma bondade e respeito para com o próximo, mas eu penso que essa passagem fala de algo muito maior – uma descrição do próprio Cristo e seu amor sacrificial, demonstrado na salvação do seu povo”, disse Wright sobre 1 Coríntios 13.

The Corner Room atualmente está trabalhando num segundo volume do Psalms Songs. Wright espera que o projeto atinja a vizinhança do Cahaba Park, bem como outras igrejas pelo país. Ele também exorta outros compositores e líderes de louvor  sobre a responsabilidade de usarem seus dons para criar músicas agradáveis e espiritualmente saudáveis para as igrejas.

“As músicas que cantamos como igreja podem nos ajudar a confiar em Jesus ou em nós mesmos”, disse Wright, “nós que conduzimos o povo de Deus na adoração precisamos ter muito cuidado ao criarmos cultura. Tanto hinos novos como antigos, se forem fiéis as escrituras, são ótimas ferramentas para nos ajudar a realizar isso.”

Nota do editor: Nós do ministério Cante as Escrituras estamos com um projeto de traduzir várias destas canções e trazer para a igreja brasileira. Logo mais chegaremos com novidades.

Por: Chris K. Davidson. © The Gospel Coalition. Website: thegospelcoalition.org. Traduzido com permissão. Fonte: How One Church Is Making Scripture Sing.

Original: Como uma igreja está fazendo a Escritura cantar. © Cante As Escrituras. Website: canteasescrituras.com.br. Todos os direitos reservados. Tradução: Thiago Holanda. Revisão: Filipe Castelo Branco.