“Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores. Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade.” (Jo 4.23-24)

Querido Pai celestial, estou exausto e sou culpado. Como muitos dos teus filhos, tenho sido culpado de levar um “cartão de ponto” para o culto público — assumindo o direito de ser um juiz e julgar a qualidade do culto oferecido pela congregação naquela capela, templo ou púlpito (seja qual for a arquitetura da igreja). Se minha agenda litúrgica e conjunto de crenças teológicas forem satisfeitos, e se meu gosto musical e minhas sensibilidades estéticas forem honrados, dou notas altas. Se não, me queixo com outros queixosos, em vez de me envolver com aqueles que estiveram encarregados da mordomia de seu culto.

Perdoe-me, Pai, humilha-me e mantenha-me semelhante a uma criança diante de ti. Exercer discernimento e cautela em nosso chamado mais glorioso, privilegiado e eterno é uma coisa, mas entrar em um culto de adoração principalmente como um consumidor autocentrado é uma coisa muito má. Como qualquer um de nós ousa assumir o direito de dizer-te o que é um “grande culto”? Que ideia arrogante e egoísta. Em nenhuma parte de tua Palavra és descrito como estnado a procura de uma “grande adoração”. Mas, como Jesus claramente nos ensinou, tu estás procurando os verdadeiros adoradores — aqueles que te adoram em Espírito e em verdade.

Tu buscas um povo doxológico — um povo ferido com a tua glória, não uma aparência ou estilo peculiar — um povo evangelizado, que te ama, cultua e glorifica com tudo o que temos e somos. Que sejamos um povo assim, não importa se nos reunimos em uma catedral majestosa, em um auditório escolar, em um lugar de culto com alta tecnologia, em uma cabana com teto de palha, na sala de um vizinho ou em um santuário ao ar livre.

Mostra-nos como te adorar em Espírito, Pai — pelo teu Espírito Santo e nas câmaras internas do nosso espírito. Sabemos que o culto dos lábios (mera aparência) e o culto da vontade (mero dever) não são suficientes, pois tu não és honrado quando nossos corações estão longe de ti. Por teu Espírito, cativa os nossos corações novamente com a tua santidade e tua graça. Restaura-nos a alegria da tua soberana salvação por nós em Jesus. Traga-nos ao primeiro amor — amor por ti e pelos outros.

Mostra-nos como te adorar em verdade, Pai — de acordo com a revelação da tua Palavra. A verdade sobre quem tu és e sobre quem nós somos; a verdade sobre nossa necessidade desesperada de redenção e a salvação perfeita que tu nos deste em Jesus; a verdade sobre como podemos melhor amar-te e servir-te, e a trágica verdade sobre como muitas vezes preferimos nossos ídolos a ti. Continues a nos livrar de toda ideia errada que já tivemos sobre ti. Mostra-nos a diferença entre as tradições dos homens e o conselho da tua Palavra.

Nós te louvamos por nos revestir da justiça perfeita de Jesus — o único fundamento sobre o qual podemos te adorar hoje, e anelamos pelo dia em que somente te ofertaremos adoração perfeita — a adoração que tu és digno e na qual tu te deleitas. Assim nós oramos no nome santo e amável de Jesus. Amém.

Por: Scotty Smith. © The Gospel Coalition. Website: thegospelcoalition.org. Traduzido com permissão. Fonte: A Prayer about True Worshipers, not Great Worship.

Original: Uma oração sobre verdadeiros adoradores, não sobre uma grande adoração. © Cante as Escrituras. Website: canteasescrituras.com.br. Todos os direitos reservados. Tradução: Camila Rebeca Teixeira. Revisão: William Teixeira.