Autor: Jamie Brown

Três erros comuns na liderança do louvor

Pode ser perigoso quando o papel de um líder de louvor é exagerado. Se não tivermos cuidado, o líder de louvor pode ser elevado ao papel de um Sumo Sacerdote do Antigo Testamento. Da mesma forma, pode ser perigoso quando o papel de um líder de louvor é pouco valorizado. Se não tivermos cuidado, o líder da louvor pode ser diminuído para o papel de uma jukebox[1] da igreja: você coloca algum dinheiro e diz-lhe quais músicas tocar. Os líderes de louvor não são sacerdotes e nem jukeboxes. São servos pastorais, chamados por Deus para pregar a mensagem do...

Leia Mais

Você tem a voz de um líder de louvor?

Eu sempre fico um pouco confuso quando, tendo acabado de conversar com um líder de louvor cuja voz e pronúncia das palavras são normais, ele passa a liderar a adoração e a cantar com uma voz completamente diferente e com uma pronúncia estranha. O que aconteceu? É a mesma pessoa com quem eu estava falando? Ele está tentando impressionar? Será que ele tem um problema de fala que você só pode ouvir quando ele canta ou ora? Onde poderíamos dizer “abra os olhos do meu coração, Senhor”, ele diz: “Ãabra ôôs ôlhosssss do méó coração SêênhoRRRRR” (com muito vibrato...

Leia Mais

Da esposa de um líder de louvor

Atualmente estou em férias com minha esposa (Catherine) e as nossas três meninas, e no meio de um maravilhoso tempo de transição entre minhas posições ministeriais (com o meu próximo passo começando em agosto). Depois de blogar aqui por cinco anos, eu achei que você gostaria de ouvir alguém diferente. Então, fiz algumas perguntas para Catherine. Prometo que permitirei que ela responda da maneira que preferir! Espero que seja útil ouvir alguém que está do outro lado do ministério de um líder de louvor, na esperança de que isso incentive outros cônjuges e líderes de louvor também. 1. Como...

Leia Mais

Adapte a Canção

Você ouve uma canção de adoração. É uma boa canção. Você quer tocá-la em sua igreja. Você deseja que a sua congregação a entoe. Você consegue imaginá-la sendo tocada numa manhã de domingo em sua igreja. Então você compra/baixa (ou faz) o gráfico de um acorde/gráfico folha/ritmo/orquestração dessa música e envia/publica o mp3 para o seu grupo de louvor. Domingo chega e você a ensina e conduz no seu contexto, exatamente como era na gravação: cada medida, cada acorde, cada riff melódico e cada repetição. Mas, curiosamente, eles não ficaram tão “épicos” quanto na gravação. É claro que isso...

Leia Mais